quinta-feira, julho 05, 2007

O signo do pedrocas...

Leão

Líder, generoso, caloroso, optimista, vaidoso.

Um líder nato. Esta é uma das primeiras coisas que ocorre dizer sobre o pequeno Leão, cuja presença se faz notar desde a mais tenra idade. A prova reside desde logo na forma como domina o pai e a mãe, do fundo do berço em que o colocaram. Embora pareça totalmente inofensivo, que ninguém se iluda. Pequenino, entre os lençóis e os véus, não permite que o ignorem, berrando sem cerimónia ao mínimo desconforto, apelo que os pais babados não conseguem ignorar, correndo a satisfazer os seus mais ínfimos desejos. Todos os amigos e conhecidos que vêm visitar o recém-nascido não ficam indiferentes à majestade com que exerce o seu cargo de bebé, olhando-os com um misto de satisfação e condescendência, aceitando as homenagens com perfeita naturalidade.
De matéria incandescente e calorosa, a natureza íntima do nativo deste signo brilha, irradia, expande-se e aquece quem dele se aproxima, tal qual o Sol, o planeta, perdão, a estrela que rege Leão.
Associada a esta «incandescência», surge outra característica real, por sinal das mais marcantes do Leão: a sua lendária generosidade. E não é mito, é mesmo verdadeira e genuína. Quem conhece um Leão que o diga: tem um prazer natural em dar, em presentear, em oferecer e ser prestável com amigos e conhecidos. Sem pedir nada em troca? Claro, nada em troca. Excepto admiração e atenção incondicionais. Pois é. Os Leões detestam ser ignorados. Quando falam, gostam que os oiçam, que sigam os seus conselhos e sugestões, que os respeitem e que lhes dêem a atenção que merecem. Sentirem-se fora das luzes da ribalta provoca-lhes um sentimento amargo de rejeição, que tomam como injusto e totalmente ingrato.
Quem o faz, não sabe o que perde. Ressentimentos à parte, são francamente simpáticos, calorosos, optimistas e muito activos. A experiência diz-nos, porém, que há duas espécies leoninas: uma francamente extrovertida, alegre e sociável, e outra mais sossegada e tímida.
Mas que ninguém se engane com as aparências. Bem lá no fundo dos seus corações, os jovens e tímidos Leões têm tanta necessidade de poder e aplausos como os outros. Podem ter sofrido um excesso de severidade na sua primeira infância, o que lhes desferiu um golpe fatal na sua auto-confiança. Seja como for, um Leão tem sempre um fundo de calor e optimismo que o fará superar muitos obstáculos ao longo da vida. Dê-lhe apoio e afecto.

Se tem um filho Leão:

  • Sem nunca o repreender em público, o que seria catastrófico para a auto-estima de um Leão, os pais devem refreá-lo suave, mas firmemente, no que diz respeito ao impulso natural que o leva a mandar nas outras crianças e a obrigá-las a fazer sempre o que ele quer. Ensine-o a respeitar a individualidade de cada um, em benefício dos outros, mas sobretudo no seu próprio interesse. Com o tempo, as outras crianças podem vir a afastar-se e a recusar brincar com o seu pequeno Leão por não quererem ser constantemente dirigidas nas suas brincadeiras.
  • Não desencoraje o entusiasmo do jovem Leão nem deixe esmorecer a sua alegria e confiança naturais, mas chame-lhe a atenção sempre que ele não resistir a exibir-se. A verdade é que ele gosta de causar sensação e de provocar os aplausos e a admiração de quantos os rodeiam, especialmente quando começa a querer agradar ao sexo oposto. Porque ele tem um sentido inato de dignidade, vai ouvir e seguir o seu conselho.
  • Não faça por ele. Ensine-o a fazer. Passamos a explicar: desde pequenino, o Leão não se importa de delegar tarefas, às vezes é um bocado preguiçoso e gosta que o sirvam. Se lhe fizer todas as vontades, ele facilmente pode tornar-se um tirano. Por isso, não hesite em ensinar-lhe a ser auto-suficiente e a não deixar que se torne um pequeno déspota.
  • Extrema severidade e o esmagamento puro e simples da vontade própria de um Leão são susceptíveis de causar estragos emocionais que podem perdurar uma vida inteira, tornando-o inseguro, ressentido e amargo.
  • Em questões relacionadas com disciplina, não abuse das ordens, especialmente da expressão «é assim porque eu quero e pronto!». Ele vai reagir mal à negação pura e simples dos seus desejos. Tem a profunda convicção de que também tem uma palavra a dizer sobre os assuntos que lhe dizem respeito, o que aliás é uma verdade que vale para todas as crianças do mundo. Explique-lhe as razões do seu procedimento e, sempre que possível, peça-lhe a opinião.

  • (Artigo retirado do site da revista Pais & Filhos)

    (parece que estou a ler as características do piolho)

    PS: Eu também sou Leoa... ooops

    Bjs

    Isa e Pedrocas

    2 comentários:

    Ângela e Daniel disse...

    e eu a ver as características do meu marido!!! :)

    Luna disse...

    tens um menino dominador e com personalidade forte, e mto teimoso não é?
    beijos
    Luna